Colunas
 
Todos os santos
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Na Santíssima Eucaristia, celebramos a vida de Deus e a nossa vida. Deus é santo e fonte de toda santidade. Pelo Batismo Ele nos santificou, confiando-nos seu projeto. Celebrar a solenidade de todos os santos é olhar para nossa caminhada eclesial. Não basta contemplar o passado remoto ou próximo e constatar que muitas pessoas entregaram suas vidas por causa do Reino. Nós somos filhos de Deus e isso significa traduzir a nossa filiação na prática da justiça. Em outras palavras, somos chamados a fazer as opções que nos comprometem com o Reino de Deus, pois delas depende a nossa felicidade. A morte e ressurreição de Jesus, celebradas na Eucaristia, e a memória de nossos mártires nos fortalecem no enfrentamento dos problemas que enfrentamos em nossa vida, a fim de que possamos permanecer de pé diante do Cordeiro.

As bem-aventuranças marcam, no Evangelho de Mateus, o início do Sermão da Montanha, a nova constituição do povo de Deus.

A mensagem de Jesus se destina a todos os povos, não tem fronteiras. Vendo as multidões, Jesus sobe à montanha que, simbolicamente, é o lugar de Deus e do encontro com Ele. A montanha recorda o Sinai, o monte onde foi selada a aliança com o povo hebreu, que saiu da escravidão egípcia. Foi aí que Moisés recebeu as tábuas da Lei, a constituição do povo de Deus.

Jesus, portanto, está para promulgar a nova constituição do povo de Deus, um povo sem fronteiras e sem discriminações; Ele vai inaugurar a Nova Aliança com os pobres e marginalizados do mundo inteiro, revelando que Deus se solidarizou com eles a ponto de confiar-lhes o Reino. O clima dessa Nova Aliança é o da confiança ilimitada que circula entre Deus e seu povo.

As bem-aventuranças são propostas de felicidade. A constituição do povo de Deus não impõe leis. Jesus simplesmente constata a situação do povo que o segue, percebe o esforço que fazem para mudar a situação, conhece as dificuldades e perseguições que enfrentam para criar a nova sociedade e os proclama felizes, herdeiros do projeto de Deus. A constituição que Jesus promulga no Sermão da Montanha nasce da constatação das lutas do povo sofrido. Deus se solidarizou com ele, confiando-lhe o Reino. Rogai por nós todos os santos e santos de Deus, para que vivamos uma santidade sem fingimentos e sem maldades, próprias de quem é amigo do príncipe das trevas. Vivamos no caminho da luz perpétua! Amém!

 
 
xm732