Colunas
 
O sentido da vida
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Levados pela euforia desmedida, os Filipenses começam a atribuir valor ímpar ao martírio, pois esperam que Paulo, seu fundador e líder, dê provas definitivas de sua fé, enfrentando a morte.

Paulo está disposto a morrer. Sua dúvida está no fato de poder optar entre a vida e a morte. Enfrentando o martírio, satisfaria, de uma vez por todas, se u desejo de estar com Deus: "Para mim, morrer representa um lucro".

Todavia, o anúncio de Evangelho exige sua presença: "Mas, se eu ainda continuo vivendo, poderei fazer algum trabalho útil. Por isso é que não sei bem o que escolher. Fico na indecisão: meu desejo é partir dessa vida e estar com Cristo... No entanto, por causa de vocês, é mais necessário que eu continue a viver."

Por isso é que, provavelmente, decide recorrer a um trunfo que tem em mãos: ao se declarar cidadão romano, certamente seria posto em liberdade, pois o direito romano tinha como princípio não condenar à morte um cidadão sem antes fazê-lo passar por um minucioso processo. "No entanto, por causa de vocês, é mais necessário que eu continue a viver. Convencido disso, sei que vou ficar com todos vocês, para ajudá-los a progredir e a ter alegria na fé. Assim, quando eu voltar para junto de vocês, o orgulho de vocês em Jesus Cristo irá aumentar por causa de mim."

São Paulo correu o risco de contrariar as expectativas dos Filipenses. Preferiu fazer uso de seu título de cidadão romano e assim obter a liberdade, a fim de continuar evangelizando. E, com isso, nos ajudou a redimensionar a questão do martírio. Apesar de o martírio ser a prova mais elevada do amor pelo Reino, os cristãos devem lutar para que seja evitado, pois onde há mártires, é sinal de que a justiça ainda não aconteceu. E as comunidades devem aprender que é melhor ter seus líderes vivos e atuantes na transformação da sociedade injusta do que cultuá-los como mártires. Enfim, uma só coisa importa: viver de acordo com o Evangelho. A vida só tem sentido quando confrontada com o Evangelho, que é a própria pessoa do Senhor Jesus morto e ressuscitado.

 
 
xm732