Colunas
 
O que agrada a Deus
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

São Paulo convida a comunidade cristã a responder no dia-a-dia aos apelos da misericórdia divina. O amor de Deus tomou conta de todos, judeus e pagãos. A resposta do cristão não pode ser outra a não ser a do amor.

A exortação é feita “pela misericórdia de Deus”. Portanto, o apelo que Paulo lança aos cristãos de Roma é feito com base nessa misericórdia divina que tomou a iniciativa de anistiar a todos por amor.

Como agradecer a esse amor? No Antigo Testamento, de modo geral, a gratidão se manifestava através dos sacrifícios (animais) oferecidos a Deus. A grande novidade que Paulo, repetindo Jesus, introduz é esta: não mais sacrifícios externos, mas o nosso corpo é o sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Este é o culto espiritual dos cristãos.

O corpo humano é o centro das relações com Deus, com as pessoas e com as coisas. Em outras ocasiões, Paulo já havia insistido no aspecto do corpo enquanto presença de Deus e do Espírito. Com essa nova realidade, desaparece o antigo culto baseado no templo, sacrifícios e sacerdócio. Cada cristão é, ao mesmo tempo, sacerdote, oferta e templo, oferecendo a si próprio como único sacrifício que Deus aceita.

Essa é a grande meta do ser cristão. Mas o ideal não é algo que possa ser alcançado fugindo da realidade que nos cerca. Paulo sabe disso e sabe também que ser cristão é não se conformar com os modelos deste mundo.

Por que os cristãos são convocados ao não conformismo? Porque, não raro, as estruturas da sociedade são marcadas pelo descompromisso com a justiça e o projeto de Deus. Resultado desse descompromisso são a exploração, os abusos e as manipulações, exatamente como acontecia na Roma antiga e como acontece hoje no meio de nós. E, não se espantem, como diz com vigor o Papa Francisco: muitas pessoas dentro da Igreja, da própria hierarquia, manipula informações, difama os que são mais capacitados, oprime em nome de Deus e da própria Santa Sé, sempre se escondendo por detrás de Roma para esconder a sua mediocridade ou mesmo a maldade que está por detrás de suas perversidades. A estes verdadeiros psicopatas e pais da injustiça o castigo divino será aterrador.

O não conformismo não é somente critica da injustiça, mas, sobretudo compromisso de transformação comunitária. Isso demonstra que o projeto de Deus requer discernimento constante para distinguir entre o que leva à vida e o que conduz à morte.

A vontade de Deus se torna clara à medida que lutamos por aquilo que suscita, promove e sustenta a vida. Esse é o sacrifício que agrada a Deus.

 
 
xm732