Colunas
 
Pela cruz, a glória
Por: DOM EURICO DOS SANTOS VELOSO
ARCEBISPO EMÉRITO DE JUIZ DE FORA, MG.
 
Leia os outros artigos
 

Jesus, o simples e humilde homem de Nazaré, na realidade, é participante da natureza divina. Em nossa herança cultural, encontramos marcas profundas do culto ao poder. Somos levados a discriminar as pessoas, selecionando-as pelos critérios de boa aparência, posses, prestígio e autoridade. Comumente são desprezados os que têm condição humilde e são destituídos de poder. Subvertendo esses critérios de valor, Deus revela-se como aquele que se faz presente e se identifica com os pobres e excluídos.

Esse homem Jesus, simples, frágil e vulnerável, é o Filho de Deus presente no tempo, mas já inserido na eternidade, em comunhão de amor com o Pai. A glória manifestada na transfiguração é a transparência do amor e da liberdade com que Jesus sempre se relacionou com seus discípulos e com o povo, no dia-a-dia. Cada discípulo seu é chamado a participar dessa glória pela adesão ao projeto de Deus revelado em Jesus. Ele se encarnou de maneira humilde, foi perseguido pelos donos do poder, padeceu grandes sofrimentos até chegar à morte e morte humilhante de cruz. Mas a cruz foi o último degrau para chegar à glória da ressurreição.

Jesus nos convida ao desapego dos atrativos e valores de um mundo seduzido pelo poder e pelo dinheiro. Somos chamados a assumir a partilha, a solidariedade e a comunhão no amor e na misericórdia com nosso próximo, pelo que entramos em comunhão com Deus.

O Deus de amor revelado por Jesus leva a uma revisão da imagem apresentada no Antigo Testamento como um deus que abençoa alguns a amaldiçoa outros. Todos, sem discriminações, somos acolhidos como filhos de Deus, em Jesus e chamados a viver, com alegria, o mundo novo de fraternidade, justiça e paz, na vida plena e revestidos de imortalidade, pela graça do Pai.

Quaresma, tempo de penitência, de oração intensa, de jejum e de abstinência de carne, sem se esquecer da dimensão da esmola e da caridade, nos coloca diante do mistério desafiante da Cruz. A Cruz é a nossa doce companheira. Meditando sobre o Mistério do Crucificado chegaremos a vencer as paixões desordenadas para viver com intensidade a mensagem do Senhor Jesus. Bom itinerário quaresmal!



 
 
xm732