Formação de Catequista
 
Sugestões para trabalhar sobre sexualidade na catequese
 
Leia os outros artigos
 

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro - Curso de Formação para Catequistas de Perseverança (Abril 2002)

Prática de atividades físicas: dança, esportes, trabalhos manuais... (CORPO)

Lazer em ambientes sadios: passeios, confraternizações, encontros... (RELACIONAMENTOS)

Atribuição de responsabilidades: pequenas tarefas nos encontros, participação em campanhas, ações missionárias... (IDEAIS)

DIRETAMENTE

Abordar os temas ligados à sexualidade, tendo o cuidado para NÃO despertar a curiosidade e sempre com o consentimento do pároco e dos responsáveis pelos catequizandos. No caso de convidar um palestrante, que este seja suficientemente preparado e fiel ao Magistério da Igreja.

Tenha respeito pela faixa(s) etária(s), moderando sua linguagem e abordagem.

Muitas das questões serão polêmicas, mas nós não podemos fingir que elas não existem e, simplesmente, deixar de tratá-las para evitar "confusão".

Dentro dessa linha, sugerimos alguns exemplos de atividades que podem ser usadas, fazendo-se as devidas adaptações de acordo com a realidade do seu grupo.

Adolescência

· Misturar figuras de crianças e jovens e pedir ao grupo que separe as figuras usando algum critério. Em seguida, perguntar: quais são as diferenças entre elas? O que faz e em que pensa uma criança? O que faz e em que pensa um jovem/adolescente?

· Ressaltar que Jesus acompanha as mudanças da nossa vida e propõe como passarmos melhor por elas. Dividir o grupo em equipes:

Equipe A - Pesquisar em I Cor 6, 12-20 e responder: Como Cristo vê as mudanças que acontecem em nosso corpo?

Equipe B - Pesquisar em I Cor 3, 18-21 e responder: Que cabeça Cristo quer para nós?

Equipe C - Pesquisar em Jo 9, 1-7;39-41 e responder: Como Cristo espera que seja o meu olhar?

Equipe D - Pesquisar em I Jo 4, 7-21 e responder: Que coração Cristo quer para nós?

Equipe E - Pesquisar em Fil 2, 1-4 e responder: Que relacionamento Cristo espera de nós?

· Dinâmica dos rótulos: fazer as tiras de papel com variadas características e colar nas costas de alguns adolescentes sem que eles saibam o que está escrito. Eles vão passear pela sala, e os demais membros do grupo devem trabalhar sua expressão corporal, agindo conforme está escrito. Após alguns minutos, verificar se os adolescentes escolhidos conseguem descobrir qual é sua característica. Ao final, questionar como muitas vezes rotulamos as pessoas, sem nem conhecê-las direito.

Sou carente:

me abrace.
Sou violento(a):

fuja de mim.
Sou infeliz:

me console.
Sou prestativo(a):

me peça um favor.

Sou engraçado(a):

sorria para mim.
Sou esnobe:

me despreze.
Sou fofoqueiro:

cochiche ao meu ouvido.
etc...

Consciência Corporal

· Deus me criou do jeito que eu sou -- homem ou mulher -- para que eu seja feliz e faça os outros felizes.

· Oração de agradecimento pelo nosso corpo (todos de olhos fechados, com fundo musical suave)

· ESTERIÓTIPOS E PRECONCEITOS: O que é ser homem? O que é ser mulher?

· Fazer uma dramatização que represente o modo como meninos e meninas são educados. Há diferenças? Por quê?

· O que dizer a respeito de frases do tipo: "Homem não chora."? "A mulher é menos capaz do que o homem."?

· Deus disse: "Não é bom que o homem esteja só." (Gn 2, 18). Que tipo de atitudes o homem e a mulher devem ter para que um realmente complete o outro?

· Cada menino descreverá um homem que admira e cada menina fará o mesmo com uma mulher. Depois, cada um deve justificar sua escolha. Os valores apontados são realmente importantes? Por quê?

Amizade

· Refletir sobre a passagem de Eclo 6, 14: "Um amigo fiel é uma poderosa proteção, quem o encontrou, encontrou um tesouro."

· Teia das amizades: todos os participantes em círculo, com um rolo barbante, um de cada vez enrola o fio e joga o rolo para um colega. Antes de jogar, porém, ela(a) deverá dizer quais são as características que considera mais importante em um amigo verdadeiro e o nome de um amigo. Ao final, será formada uma grande teia que mostra como nós estamos todos ligados, pois, em Cristo, somos irmãos e dependentes uns dos outros.

· Corrente com os nomes, em que cada um escreve seu nome numa tira de papel e o catequista vai unindo as tiras (como as correntes para enfeitar festas juninas). A mensagem é que nossa amizade não deve ser escravizante, mas sim, uma corrente aberta para que sempre caiba mais elo.

· Amigo oculto

Namoro

· Para que serve o namoro? Como duas pessoas podem realmente se conhecer melhor nesta fase do relacionamento?

NAMORAR

Vantagens
Desvantagens

CARACTERÍSTICAS DO NAMORO CRISTÃO

· Organizar em conjunto com a pastoral familiar um encontro para namorados e noivos para os adolescentes e jovens da comunidade.

Matrimônio e Família

· A plena vivência da nossa sexualidade requer:

União Confiança Partilha Compromisso

· Nossa garantia e segurança estão no sacramento do matrimônio, por isso, quem ama espera; afinal "...o amor é paciente.." (I Cor 13, 4a)

· Os perseverantes podem entrevistar um casal da comunidade que seja um testemunho vivo do sacramento do matrimônio: o que fez o casamento dar certo? Quais são as características de um matrimônio feliz? O que fazer quando surgem os problemas?

· Oração de cura e de perdão aos membros da família. Pode ser feita através de música. Ex.:

Dentro de mim há uma fonte, uma fonte de amor/ Dentro de mim há uma fonte, para o irmão para o Senhor/ Posso perdoar quem me feriu e até o levantar se ele caiu/ Eu tenho paz (2x)/ Para lhe dar (2x)/ Eu tenho amor (2x)/ Pra perdoar (2x)/ Pois eu sou bom (2x)? Meu pai é bom (2x)/ Minha mãe é boa (2x)/ Meu irmão é bom (2X)...

· Valorizar datas como dia dos pais e dia das mães, realizando encontros com as famílias, apresentando encenações ou músicas de homenagem, confeccionando mensagens ou lembrancinhas.

· Estabelecer sempre contato com os responsáveis (reuniões, encontros, visita às casas...)

· Meditar sobre a Sagrada Família que deve ser sempre o nosso exemplo (Lc 2, 41)

Liberdade

· O que é ser livre? É fazer tudo o que "der na telha"? A liberdade tem limites?

· Deus nos conhece melhor do que nós mesmos. Ele sabe como nós devemos ser felizes: seguindo os seus ensinamentos. A partir desta premissa, pode-se fazer uma reflexão sobre os mandamentos.

· Toda libertação tem uma dose de risco. Aprofundar este aspecto, lembrando que o povo hebreu teve que abrir mão de muita coisa em troca da liberdade da escravidão no Egito (Ex 3-4) e acabou reclamando muitas vezes dos sacrifícios e responsabilidades que ser livre pode trazer (Ex 14--17), mas, os que foram fiéis viram as promessas de Deus se cumprirem ao longo da caminhada.

· O que é ter liberdade de escolha? Comente o exemplo de Esaú e Jacó (Gn 25, 29-34). Esaú não quis desistir de seu almoço e acabou perdendo o bem mais precioso que tinha: o direito à primogenitura. E nós? Estamos prontos para tomar decisões? Sabemos diferenciar entre o que é importante e o que é urgente? Temos consciência de que uma única escolha errada pode até mudar a nossa vida radicalmente? Cite exemplos.

· Teste de maturidade:

Perguntas
sempre

(2 pts)
às vezes

(1 pt)
nunca

(0 pts)

Você faz questão de cumprir sempre o que promete?

Você costuma reconhecer quando não tem razão?

Você pede desculpas quando ofende alguém?

Você evita empurrar suas tarefas para outras pessoas?

Você se interessa pelo que acontece no seu bairro, cidade, país?

Você sabe guardar um segredo que um amigo lhe confia?

Você é capaz de recusar um programa interessante por causa de um compromisso que já tinha assumido anteriormente?

Você tem coragem de defender o que é certo, mesmo que isso lhe coloque em uma situação difícil?

Criar um critério de pontuação, divulgar e comentar os resultados.

Vocação

· Orientação vocacional por pessoa especializada:

- Psicóloga para orientar com relação à escolha profissional

- Visita à seminário ou convento para conhecer a vida sacerdotal/religiosa

- Contato com membros de outras pastorais e/ou trabalhos sociais que a Paróquia desenvolva

Santidade

· Aprofundar o 5º e o 6º mandamentos:

5º mandamento (Ex 20, 13; Mt 5, 21s): o nosso Deus é o Deus da vida. Qualquer ameaça ou atentado à vida é um ataque ao próprio Deus (Jo 10, 10).

- Cumprir este mandamento pressupõe também cuidarmos bem do nosso corpo. O que podemos fazer por nossa saúde física e mental? (alimentação saudável, consulta regular ao médico e dentista, prática de esportes, bons programas, conversas e leituras...) E o que vai de encontro a isso, fazendo com que nos matemos "aos poucos"? (fumo, álcool, drogas, remédios...)

- Debater temas como aborto, bebês de proveta e clonagem, usando reportagens de jornais e revistas ou a presença de um profissional cristão mais gabaritado e fiel aos ensinamentos da Igreja. O conhecimento e a aprovação do sacerdote é fundamental para esta atividade.

- Aprofundar a oração de São Francisco: “Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz...”
6º mandamento (Ex 20, 14; Mt 5, 27-32)

- Respeitar o corpo e a dignidade dos outros, mas também a sua própria.

- Apresentar a proposta da castidade como controle, autodomínio que nos leva a viver sadiamente nossa afetividade.

- Crescimento igual e harmonioso do homem e da mulher. Os dois devem procurar ser fiéis aos mandamentos de Deus.

- Meditar na passagem: I Jo 2, 14b: "Eu vos escrevo, jovens, porque sois fortes, porque a Palavra de Deus permanece em vós e porque vencestes o maligno."

- Valorizar a santidade através de pesquisas da vida dos santos, feiras e exposições, orações... Em especial, aumentar a devoção mariana: Maria, modelo de castidade a serviço de Deus e da comunidade. "Doravante, todas as gerações me chamarão bem-aventurada..." (Lc 1, 48b).

Tatiana M. Miliante de Melo



xm732