Adoração diante o Santíssimo Sacramento
 
Vigilia para a Sexta-feira Santa com os crismandos e seus pais
Enviado por: Maria Aparecida Pierrone
Paróquia São Camilo de Lellis – Itu - SP
 
Confira a lista com os outros modelos de Hora Santa
 
Para enviar essa peça de teatro automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
 
Gostou dessa Hora Santa? Salve em formato word.
 
Confira a lista com os outros modelos de Hora Santa
 
 

Dirigente: Iniciemos nossa oração:
Todos: Em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Dirigente: Neste momento que vamos passar diante de Jesus Sacramentado, elevemos nossos olhares e pensamentos para o Senhor e meditemos no seu infinito amor e misericórdia para conosco, penetrando nos mistérios de sua Paixão. Deixemo-nos conduzir por seu Espírito.

Canto: “Podes Reinar”
Senhor eu sei que é teu este lugar, todos querem te adorar, toma Tu a direção.
Sim, oh vem, oh Santo Espírito, os espaços preencher, reverência à Tua voz vamos fazer.
Podes reinar, Senhor Jesus, oh sim. O Teu poder, teu povo sentirá.
Que bom Senhor, saber que estás presente aqui. Reina, Senhor, neste lugar.
Visita cada irmão, oh meu Senhor, dá-lhe paz interior e razões para te louvar.
Desfaze toda a tristeza, incertezas e desamor, glorifica o Teu Nome, oh meu Senhor.

Leitor 1:
Do Evangelho de João:
“Faltava só um dia para a festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a hora de deixar o mundo e ir para o Pai. Ele sempre amou os seus que estavam neste mundo, e os amou até o fim. Jesus e seus discípulos estavam ceando. O diabo já havia posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, a idéia de trair Jesus. Jesus sabia que o Pai lhe havia dado todo o poder. E sabia, ainda, que tinha vindo de Deus e ia para Deus. Então se levantou , tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Derramou água numa bacia, e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a tolha. Ao chegar a Simão Pedro, este lhe disse: ‘Senhor, tu me lavas os pés?’ Respondeu Jesus, dizendo: ‘O que faço, não entendes agora. Mais tarde o compreenderás’. Depois de lhes lavar os pés, perguntou-lhes: ‘Vocês entenderam o que eu fiz? Vocês me chamam de Mestre e Senhor, e têm razão, porque eu o sou. Sou Senhor e Mestre, e lavei os pés de vocês. Por isso vocês devem lavar os pés uns dos outros; dei-vos o exemplo para que façam o mesmo que eu fiz’” (Jo 13,1-7.12-15).

Leitor 2
Reflexão: Antes de voltar para o Pai, Jesus quis dar aos apóstolos mais uma prova de seu amor. Mas foi também uma lição de humildade. Eles iam perceber a dignidade de ser continuadores de sua obra de salvação. Para isso teriam que receber autoridade. Jesus lhes ensina que eles deviam desempenhar a função de apóstolos como quem serve. Como quem se inclina diante do outro, como um servidor. Devem proceder com humildade, como Jesus no momento do lava-pés. Pedro se admira de que o Senhor lhe lave os pés, e procura impedir. Ele vê uma distância infinita entre as mãos de Deus e os pés do homem. E, ainda mais, um homem como ele que se reconhece pecador. Pedro ainda não tinha compreendido que, onde há amor infinito, desaparecem as distâncias infinitas. E nós, já compreendemos este amor? (pausa).
Nas religiões antigas, os homens se inclinavam diante do sol, dos astros, das estrelas. Na “religião” consumista de hoje, os homens se inclinam diante da riqueza, do dinheiro, do ter... Na religião cristã descobrimos um Deus que se inclina diante do homem. Foi esta a lição que Cristo nos deixou.

(momento de silêncio para reflexão e oração pessoal)

Dirigente: Diante da lição de amor e humildade que Jesus nos deixou, sejamos solidários com nossos irmãos menos favorecidos e peçamos:
Todos: Ajudai-nos, Senhor, a nos inclinarmos diante do irmão para servi-lo e amá-lo, como Vós nos ensinastes.
Leitor 3: Com os que se encontram doentes e solitários,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, ...
Leitor 4: Com os que vivem à margem da sociedade,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, ...
Leitor 5: Com aqueles que passam fome,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, ...

Leitor 6: Com os órfãos e abandonados,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, a nos inclinarmos diante do irmão para servi-lo e amá-lo, como Vós nos ensinastes.
Leitor 7: Com os que se sentem oprimidos pelo poder injusto,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, ...
Leitor 8: Com aqueles que são vítimas de preconceito e discriminação,
Todos: Ajudai-nos, Senhor, ...

Leitor 9: Jesus dá o mandamento do amor.
Do Evangelho de João:
“O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros, assim como eu amo vocês. Não existe maior amor do que dar a vida pelos amigos. Vocês são meus amigos, se fizerem o que eu vos mando. Não os chamo de escravos, porque o escravo não sabe o que faz o seu senhor; mas os chamo de amigos, pois tenho dito a vocês tudo que ouvi do meu Pai. Portanto, é isto que eu mando: Amem-se uns aos outros” (Jo 15,12-15.17).

Leitor 10
Reflexão: Depois deste mandamento, depois daquela Páscoa, o amor ao próximo vai se tornar sinal e condição para amar a Deus. É vivendo neste amor que a comunidade cristã continuará o testemunho de Jesus, prolongando no tempo sua experiência de vida. O amor ao qual Jesus convida os apóstolos é um amor recíproco. Todo ser humano tem, ao mesmo tempo, o dever de amar e o direito de ser amado.

(momento de silêncio para reflexão e oração pessoal)

Oração: “A Graça do Amor Fraterno”
Senhor Jesus,
Tu quisestes que nos amássemos uns aos outros como Tu nos havias amado;
E Tu nos amaste como o Pai te havia amado.
Esse foi teu Grande Mandamento e Testamento final.
Derruba em nós as altas muralhas levantadas pelo egoísmo, orgulho e vaidade.
Afasta de nossas portas as invejas que destroem a unidade.
Livra-nos das inibições. Acalma os impulsos agressivos.
Purifica as intenções e que cheguemos a sentir como Tu sentias e amar como Tu amavas.
Faze, Senhor Jesus,
Que uma corrente sensível, ardente e profunda corra em nossas relações;
Que nos compreendamos e nos perdoemos;
Que não haja entre nós obstáculos, reticências nem bloqueios;
Que sejamos abertos e leais, sinceros e verdadeiros.
E assim demonstremos ao mundo que Tu, Senhor Jesus, és o Enviado do Pai
E estás vivo entre nós. Amém.

 Canto: “Simplesmente Amar”
O amor cresceu em meio a nós e ao homem se igualou
Não procurou seus interesses, não...
Do próximo quis lavar os pés como sinal de igualdade
Na cruz se entregou e perdoou só por amor
Simplesmente amar, é o que importa para quem quiser servir
Simplesmente amar, é a condição maior, suprema do servir
Eis a verdadeira vocação: simplesmente amar
Como dizer “Senhor te amo” sem mesmo vê-Lo
E ser incapaz de amar o outro que está ao lado e se pode ver?!
O que não ama não conhece a Deus,
Porque Deus é amor!

Leitor 1: Jesus pede ao Pai “que todos sejam um”.
Do Evangelho de João
“Jesus disse essas coisas e depois, levantando os olhos para o céu, acrescentou: ‘Pai, é chegada a hora, glorifica teu Filho para que teu Filho te glorifique a ti, pois lhe deste poder sobre todos os homens, para que Ele dê vida eterna a todos aqueles que lhe deste. Revelei teu nome aos homens que do mundo me deste. Eles eram teus e tu os deste a mim, e eles guardaram a tua Palavra. Pai santo, guarda-os em teu nome, o qual me deste, para que sejam um como nós.  Não peço somente por eles, mas também em favor dos que vão crer em mim por meio deles. E que todos sejam um. Meu Pai! Que eles estejam em nós, assim como tu estás em mim e eu em ti. Que sejam um, para que o mundo creia que tu me enviaste, para que possam ser um, assim como tu e eu somos um. Eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade, a fim de que o mundo creia que me enviaste, e que os amaste como também me amaste. Pai, quero que onde estou estejam também aqueles que me deste, para que vejam a glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo. Pai justo, o mundo não te conheceu, mas Eu te conheci, e estes conheceram que Tu me enviaste. Eu fiz e farei que eles conheçam o Teu nome, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e Eu esteja também neles” (Jo 17,1-2.6.11b.20-26).

Leitor 2
Reflexão: Nesta oração de Jesus, há alguma coisa que nos toca de modo particular: Jesus pede também  por aqueles que por meio da palavra dos discípulos acreditarão n’Ele. Pede por nós. Esta oração é sobre o tema da fé. Muitas vezes Ele disse que é a fé que nos salva. Despertar e educar a fé é finalidade da transmissão da Palavra de Deus por meio da evangelização, da catequese, da pregação. É só assim que a vida social consegue harmonia. Quem não é amado e se sente desprezado pode tornar-se incapaz de amar. O amor se traduz concretamente na abertura aos outros – particularmente aos mais próximos. Traduz-se na disponibilidade a compartilhar das experiências de vida cristã. Traduz-se no desejo de viver em comunhão, na escuta e no diálogo. Nisto é que seremos conhecidos como discípulos de Jesus.

(momento de silêncio para reflexão e oração pessoal)

Oração: “Pai, que todos sejam um”.
Leitor 3: Eu não rogo somente por eles, mas também por aqueles que hão de crer em mim, por meio da tua Palavra; para que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim e eu em Ti, para que também eles sejam um em nós, a fim de que o mundo creia que Tu me enviaste (Jo 17,20-21).
Todos: Pai, que todos sejam um.
Leitor 4: Eu dei-lhes a glória que Tu me deste, para que sejam um, como também nós somos um (Jo 17,22).
Todos: Pai, que todos sejam um.
Leitor 5: Eu estou neles, e Tu estás em Mim, para que todos sejam consumados na unidade e para que o mundo conheça que Tu me enviaste, e que os amaste como também amaste a mim (Jo 17,23).
Todos: Pai, que todos sejam um.
Leitor 6: Pai, quero que onde estou estejam também aqueles que me deste, para que vejam a glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo (Jo 17,24).
Todos: Pai, que todos sejam um.
Leitor 7: Pai justo, o mundo não te conheceu, mas Eu te conheci, e estes conheceram que Tu me enviaste   (Jo 17,25).
Todos: Pai, que todos sejam um.
Leitor 8: Eu fiz e farei que eles conheçam o Teu nome, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e Eu esteja também neles (Jo 17,26).
Todos: Pai, que todos sejam um.

Canto: “Canção da Unidade”
Que sejam um é o que eu quero mais (bis)
O meu amor é o que os torna capazes
Sem medo algum, se amem mais (bis)
O meu Espírito é quem age e faz.

Leitor 9:
Do Evangelho de João
“Em verdade, em verdade te digo: ‘Ninguém subiu ao céu senão quem desceu do céu, o Filho do Homem. Como Moisés exaltou a serpente no deserto, assim também é preciso que o Filho do Homem seja exaltado, a fim de que o que n’Ele crer, possua a vida eterna’. Deus amou tanto o mundo que entregou o Filho Unigênito para que todo aquele que crer n’Ele, não morra, mas tenha a vida eterna. É que Deus enviou o Filho ao mundo, não para condenar o mundo, e sim para que o mundo seja salvo por Ele. Quem crê n’Ele, não é condenado, e quem não crê, já está condenado, porque não creu no nome do Filho Unigênito de Deus”        (Jo 3,11.13-18).

Leitor 10
Reflexão:
Mesmo na glorificação do Filho de Deus, continua a estar presente a Cruz que, através de todo o testemunho messiânico do Homem-Filho que nela morreu, fala e não cessa de falar de Deus-Pai, que é absolutamente fiel ao seu eterno amor para com o homem, pois que “amou tanto o mundo – e portanto, o homem no mundo – que lhe deu o seu Filho Unigênito para que todo aquele que n’Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Crer no Filho crucificado significa “ver o Pai” (Jo 14,9) significa crer que o amor está presente no mundo e que o amor é mais forte do que toda a espécie de mal em que o homem, a humanidade e o mundo estão envolvidos. Crer neste amor significa acreditar na misericórdia. (Encíclica Dives in Misericordia nº 7).
A Cruz é o modo mais profundo de a divindade se debruçar sobre a humanidade e sobre tudo aquilo que o homem – especialmente nos momentos difíceis e dolorosos – considera seu infeliz destino. A Cruz é como que um toque do amor eterno nas feridas mais dolorosas da existência terrena do homem... (Encíclica Dives in Misericórdia nº 8). 

(momento de silêncio para reflexão e oração pessoal)

Canto: “Ninguém te ama como Eu!”
Tenho esperado este momento, tenho esperado que viesses a mim
Tenho esperado que me fales, tenho esperado que estivesses assim.
Eu sei bem o que tens vivido, sei também que tens chorado.
Eu sei bem que tens sofrido, pois permaneço ao teu lado.
Ninguém te ama como Eu, ninguém te ama como Eu.
Olhe pra cruz, esta é a minha grande prova, ninguém te ama como Eu!
Ninguém te ama como Eu, ninguém te ama como Eu.
Olhe pra cruz, foi por ti, porque te amo! Ninguém te ama como Eu!
Eu sei bem o que me dizes, ainda que nunca me fales.
Eu sei bem o que tens sentido, ainda que nunca me reveles.
Tenho andado ao teu lado, junto a ti permanecido.
Eu te levo em meus braços, pois sou teu melhor amigo.

Dirigente: Confiantes no amor e na misericórdia de Deus, rezemos:

Todos: Pai Nosso... Ave Maria... Glória ao Pai...

Dirigente: Abençoe-nos o Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo.
Todos: Amém.



 
 
xm732